Medicina e Espiritualidade

"A medicina inventará mil modos de auxiliar o corpo atingido em seu equilíbrio interno; por essa tarefa edificante, ela nos merecerá sempre sincera admiração e fervente amor; entretanto, compete a nós outros praticar a medicina da alma, que ampare o espírito enleado nas sombras (...)” [André Luiz, No Mundo Maior]
A enfermidade e a dor têm acompanhado a vida humana desde sua origem. O teólogo Antonio Autiero propõe três modelos interpretativos da enfermidade: o modelo mágico, a interpretação religiosa e o modelo científico-empírico moderno. A medicina passou de um período mágico-religioso iniciado no ano 500 a.C. até a medicina científica do séc. XIX, baseada na experimentação e não só na mera experiência. A partir disso, três etapas são descritas por Larry Dossey:
 
  1. Medicina materialista e fisicalista: etapa que começa no meio do séc. XIX, genuinamente científica, tem a física de Newton como modelo: o universo inteiro, incluindo o corpo humano, é como um relógio regido pelos princípios da casualidade determinista;
  2. Modelo mente-corpo: inicia após a segunda guerra e admite a influência das percepções, emoções, atitudes e pensamentos sobre o corpo humano. A mente está localizada no cérebro e tem a capacidade de influenciar o seu próprio corpo; 
  3. Medicina transpessoal e espiritual: exige uma compreensão que a relação mente-corpo transcende os limites de espaço e tempo. A mente é não local.
Nos Estados Unidos existem muitos Centros de Pesquisa sobre Saúde e Espiritualidade ligados às principais Universidades como: Duke University’s Center for Spirituality, Theology and Health, The George Washington Institute for Spirituality and Health, Center for Spirituality and Health – University of Florida, Center for the Study of Health, Religion and Spirituality Indiana State University, Medical University of South Carolina Center for Spirituality and Health, Center for Spirituality and Healing at University of Minnesota, Higher Education Research Institute at UCLA, Health Sciences Library System University of Pittsburgh Medical Center - Doctoral Dissertations on Religion and Medicine e Harvard University.
 
No Brasil destacam-se os seguintes Centros de Pesquisa sobre Espiritualidade e Saúde: Núcleo de Estudos de Problemas Espirituais e Religiosos, na Universidade de São Paulo; Grupo WHOQOL-Brasil, instalado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Núcleo de Pesquisas em Espiritualidade e Saúde da Universidade Federal de Juiz de Fora e o Núcleo Avançado de Saúde Ciência e Espiritualidade, na Universidade Federal de Minas Gerais.
 
A primeira Universidade brasileira a introduzir um curso de extensão universitária sobre Saúde e Espiritualidade foi a Universidade Santa Cecília (Santos-SP), no ano de 2002. A primeira Faculdade de Medicina a abordar no ua grade curricular a questão da Espiritualidade foi na Universidade Federal do Ceará no ano de 2004. No ano seguinte, a Faculdade do Triângulo Mineiro iniciou disciplina optativa sobre Saúde e Espiritualidade, juntamente com a Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, e em 2006 a Universidade Federal do Rio Grande do Norte iniciou a Disciplina optativa de Medicina, Saúde e Espiritualidade.
 
Paralelamente a essas atividades institucionais, outras escolas médicas também possuem grupos acadêmicos que realizam Seminários sobre Saúde e Espiritualidade, como na Universidade de São Paulo, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, na Universidade Estadual de São Paulo / Botucatu, no Centro Universitário Lusíada (Santos) e na Universidade Federal de São Paulo.
 

Fontes de referências e pesquisas:

http://www.amebrasil.org.br
http://www.ameinternational.org/site/br/
http://www.ufrgs.br/bioetica/bioetica.htm
http://pistasdocaminho.blogspot.com/2009/04/aulas-de-medicina-e-espiritu...